Herdade Paço do Conde

Herdade Paço do Conde

A Herdade Paço do Conde fez um amplo esforço de reconversão da atividade agrícola com vista à substituição da tradicional cerealicultura de sequeiro por culturas mais competitivas na atual conjuntura internacional, como é o caso da vinha e do olival.
A plantação das vinhas iniciou-se em 1995, resultado da criteriosa seleção de solos, exposição solar e castas.

Foram selecionadas as seguintes castas tintas:

Aragonês, Trincadeira, Castelão, Touriga Nacional, Syrah, Merlot, Cabernet Sauvignon e Alicante Bouschet.

E brancas: Antão Vaz, Arinto, Verdelho e Viognier.

Toda a área é regada com sistema gota a gota, que permite um equilíbrio perfeito na maturação das uvas face a verões longos, muito secos e quentes. A condução das vinhas é efetuada em modo de produção integrada.

A vindima é feita à noite para que as uvas sejam colhidas nas melhores condições, a temperaturas consideravelmente mais baixas que de dia, onde chegam a atingir 35 a 40º C. A Sociedade Agrícola, inicia a sua vertente vitivinícola, em 2002, com a construção da primeira fase da adega. A adega está integrada na arquitectura secular do Monte Paço do Conde, sede da Herdade, na freguesia de Baleizão, concelho de Beja.

A adega vinifica, atualmente, a produção de cerca de 210 hectares de vinha, todos eles pertencentes à família Castelo Branco, garantindo, desta forma, um controlo total e comum sobre todas as fases do processo produtivo.

A moderna adega com capacidade para 1.410.000 de litros combina a tradição com uma avançada tecnologia, que permite uma vinificação perfeita, capaz de mostrar a excelente qualidade das uvas. Dotado de um sistema operativo que maximiza a suavidade do transporte das uvas, massas vínicas e vinhos garantindo que todo o processo de vinificação decorra suavemente e o vinho não sofra movimentos bruscos. As cubas de fermentação de pequena capacidade permitem a vinificação separada de várias castas por talhão de vinha.

A adega de linhas modernas e atraentes foi submetida a uma renovação tecnológica, e de técnica de produção de vinhos para fazer face ao aumento das quantidades de uva produzidas pelo grupo. Aí produzem-se vinhos de elevada qualidade, os quais têm obtido um enorme sucesso não só em Portugal como em vários países.

E, se a Adega é tecnicamente sofisticada, não o é menos esteticamente. Tectos abobados e arcadas conferem ao local uma suave beleza arquitectónica.

top